Minoxidil tópico: shedding e outras dúvidas frequentes - Fabiana Caraciolo

Minoxidil tópico: shedding e outras dúvidas frequentes

minoxidil tópico

 

O minoxidil  foi usado primeiramente, na década de 70, para tratar hipertensão arterial de difícil controle, pois é uma medicação que relaxa a parede das artérias, levando a uma dilatação (maior abertura) desses vasos, e, consequentemente, baixando assim a pressão.

Observou-se, porém, naquela época, que, em grande parte dos pacientes que tomavam esta medicação, havia um crescimento de pelos como efeito colateral. A partir daí, começou-se a estudar o minoxidil para ser aplicado diretamente no couro cabeludo porque, assim, ele poderia ajudar quem tinha uma calvície sem abaixar a pressão e evitando também outros efeitos colaterais que o paciente poderia ter com as altas doses por via oral, que na época eram utilizadas. E o uso tópico no couro cabeludo mostrou que tinha sim benefícios.

O minoxidil foi o primeiro (1988) e permanece como o único medicamente de uso tópico aprovado pelo FDA (órgão de regulação de medicamentos nos Estados Unidos) para tratamento de alopecia androgenética (calvície) em homens e mulheres.

Nós não tempos ainda nenhuma outra medicação para passar no couro cabeludo que tenha a mesma comprovação científica de benefício para calvície feminina e com o veículo que garanta sua entrada (permeabilidade) no couro cabeludo.

Para a calvície feminina, pode ser usado o minoxidil a 2%, 2 vezes ao dia, ou o minoxidil a 5%, que só precisa ser utilizado 1 vez ao dia. Nas embalagens do minoxidil a 5% ainda não aparece a indicação para uso por mulheres apenas por uma questão de não terem sido atualizadas, já que o minoxidil a 5% foi liberado para mulheres apenas em 2014.

 

Como o minoxidil funciona?

Acredita-se que o minoxidil funcione por prolongar a fase de crescimento dos folículos. Então, a fase de crescimento que é encurtada pela calvície seria “consertada”.

Além disso, ele pode fazer com que aqueles folículos que estão em um repouso prologado, ou seja, muito sem conseguir produzir pelo (estão vazios),consigam reentrar na fase de crescimento, ou seja, voltar a produzir pelo.

Porém, o  mecanismo através do qual o minoxidil estimula o crescimento do cabelo ainda não é totalmente entendido. Até pouco tempo atrás, acreditava-se que seu  efeito seria apenas pela dilatação (maior abertura) dos vasos sanguíneos do couro cabeludo, levando à chegada de mais sangue, consequentemente, mais oxigênio e nutrientes aos folículos. Atualmente, acredita-se que ele estimule a liberação de fatores de crescimento promovendo a proliferação das células da papila dérmica dos folículos.

Acredita-se também em um efeito anti-inflamatório do minoxidil, que seria importante para reduzir a microinflamação ao redor da parte superior do folículo, já que hoje se sabe que esta microinflamação contribui também para a piora da calvície.

 

Quais os efeitos colaterais do minoxidil tópico?

Um deles é o aumento de pelos em locais indesejados como a face. Isso ocorre, mais frequentemente, pela medicação escorrer para as áreas vizinhas ou se é aplicada muito perto da área de dormir. Por isso recomenda-se aplicar o minoxidil cerca 2 horas antes de ir dormir, para não contaminar o travesseiro.

 

Aumento de pelos da testa pelo uso de minoxidil tópico

A quantidade de minoxidil aplicado no couro cabeludo que entra e vai para o sangue é mínima, porém, quando usado em doses maiores que as recomendadas pelo dermatologista, haverá uma maior absorção que pode levar a aumento de pelos inclusive em áreas distantes do couro cabeludo como braços e tronco. Por isso, nunca use o minoxidil em dose maior do que a recomendada pela (o) sua (seu) dermatologista. Inclusive, isto não aumentará o benefício para sua calvície.

O aumento de pelos devido ao uso de minoxidil é mais frequente em mulheres e resolve-se em torno de 3 meses após a parada da medicação.

Palpitação e baixa da pressão com o uso do minoxidil oral não costumam ocorrer.

Minoxidil solução

 

Sensação de coceira, descamação, ressecamento dos fios com o uso do minoxidil, geralmente é devido à dermatite pelo propilenoglicol presente na fórmula de minoxidil em solução. Neste caso, o ideal seria investigar, através de um teste de contato, para saber se  a dermatite de contato é ao próprio minoxidil ou apenas ao propilenoglicol. E, se for ao propilenoglicol, existem a opção produtos à base de minoxidil sem ele (em espuma).

 

Minoxidil espuma

 

O minoxidil sem propilenoglicol em espuma industrializado só é disponível fora do Brasil e, além de ser uma opção para os alérgicos ao propilenoglicol, costuma agradar mais as pacientes que se queixam da cosmética do minoxidil solução.

O minoxidil tópico é proibido na gravidez.

 

O temido shedding

Costumo atender muitos pacientes que chegam a parar o uso de minoxidil ou mesmo nem começam a usá-lo por medo do chamado “shedding”, que é o aumento da queda de cabelo que ocorre cerca de 2 a 6 semanas após o início do tratamento. Porém, este “shedding” não deve ser temido, pois, é apenas um sinal de que a medicação está funcionando. O minoxidil apenas acelera a queda dos fios que já estavam para cair e estimula os folículos que estavam sem conseguir formar novo pelo, há certo tempo, para passarem para fase de crescimento. Esta fase de “shedding” costuma durar cerca de 2 meses.

 

Melhor aplicar com cabelo seco ou úmido? Precisa massagear?

Recomenda-se a aplicação do minoxidl no couro cabeludo seco e, depois disso, os cabelos não devem ser lavados por no mínimo 4 horas.

Não é necessário massagear o minoxidil após aplicar. Apenas espalhar de leve com o dedo.

 

Após quanto tempo pode-se começar a notar o resultado do tratamento com minoxidil e por quanto tempo deve ser usado?

A resposta ao tratamento com minoxidil costuma aparecer após 4 meses de tratamento, mas costumamos pedir para o paciente marcar uma consulta de reavaliação após  6 meses.

Uma vez confirmada a eficácia, o tratamento deve ser mantido indefinidamente, ou seja, até quando o paciente deseje manter o volume do cabelo.

Quando o tratamento com o minoxidil é interrompido, haverá uma queda de cabelo excessiva depois de cerca de 3 meses, pois os fios que estavam sendo mantidos em fase de crescimento pelo minoxidil passarão naturalmente para a fase de queda. Ou seja, não é que o minoxidil depois causará uma perda de cabelo. O que acontece é que, uma vez descontinuado o uso, ele para de agir, liberando o cabelo para a fase de queda.

Muitas vezes atendo pacientes que costumam usar  minoxidil por 2 ou 3 meses ao ano e param, e relatam que não viram resultado com o tratamento. Então é muito importante relembrar que:

  • É normal experimentar uma queda aumentada de cabelo depois de cerca de 2 a 8 semanas após o início de tratamento e que isto não é uma perda de cabelo, e sim uma troca por fios melhores. O minoxidil apenas está antecipando esta troca.

 

  • Uma resposta ao tratamento só deve ser avaliada após 6 meses, pois terá passado a fase de shedding e também o fio já terá alcançado um comprimento que o deixe mais visível.

 

  • O tratamento só funciona enquanto a medicação é usada. Parou de usar, cerca de 3 meses depois, o resultado alcançado começará a ser perdido. E, em torno de 6 meses depois da suspensão do uso, a calvície voltará ao estado anterior ao tratamento.

Então, quem usa por 2 ou 3 meses e para nem começou a experimentar o resultado do minoxidil, e além disso, 3 meses depois, verificará uma queda maior de cabelo e ficará assustado.

 

Qual o principal objetivo do tratamento com minoxidil na calvície?

Assim como as demais medicações usadas para combatê-la, seu principal objetico é retardar a progressão da doença: o afinamento progressivo de cabelos e perda de folículos. Algumas vezes conseguimos “acordar” folículos que estavam em repouso prolongado e engrossar alguns fios afetados pela doença, mas isto nem sempre ocorre e depende do quanto a doença já miniaturizou a doença.

Costumo dizer que “tempo é folículo” e, na alopecia androgenética, isto é verdadeiro, pois quanto mais cedo a doença é diagnosticada, melhor é a resposta ao tratamento. Já, em casos de doença de longa data, muitos folículos já foram substituídos por tecido fibroso, ou seja, naqueles locais, não nascerá mais pelo, independente do tratamento.

–> Importante dizer que o minoxidil não é capaz de engrossar pelos que sempre foram finos!

 

O minoxidil tópico funciona para todos com calvície?

As taxas de sucesso de tratamento com o minoxidil tópico pra calvície ainda estão muito abaixo do que gostaríamos: em torno de 40% das pessoas têm boa resposta. Lembrando que manter o volume atual de cabelo, ou seja, a calvície não progredir, já é uma boa resposta. Agora, a falta de resposta ao minoxidil pode ter várias causas, por exemplo:

  • Algumas pessoas têm uma baixa atividade da enzima necessária para transformar o minoxidil, no folículo piloso, na sua forma ativa: o sulfato de minoxidil. E, nós ainda não temos disponível no Brasil o teste para avaliar a atividade dessa enzima nas pessoas, antes de iniciar o tratamento.

Recentemente (2018), foi publicado, inclusive, um trabalho interessante a respeito desta transformação necessária do minoxidil. E, este estudo mostrou que algumas pessoas após tomarem 14 dias de aspirina (AAS), mesmo em uma dose baixa (de 75mg), tiveram uma redução da atividade  enzima que é importante para transformar o minoxidil na sua forma ativa. Ou seja, algumas pessoas que tomam aspirina cronicamente, para prevenção de infarto ou de AVC, por exemplo, podem não responder ao mnoxidil tópico.

 

  • A resposta maior ou menor ao minoxidil ou mesmo se haverá alguma resposta depende também do grau da calvície do paciente. Se o paciente já apresenta miniaturização muito intensa dos folículos e muitos folículos já perdidos a resposta pode ser bem pequena ou nula.

E essas são apenas algumas possibilidades que a gente sabe até o momento quanto a resposta ao minoxidil tópico. Ainda há muito o que se entender sobre seu mecanismo de ação, medicações que podem afetar a sua eficácia… Muito ainda para ser descoberto.

 

 

Mesoterapia, Intradermoterapia e MMP com minoxidil

 

Atualmente, existe também a opção de entregar o minoxidil diretamente dentro do couro cabeludo, através da microinfusão de medicamentos na pele (MMP). Sabemos que grande parte do minoxidil aplicado sobre o couro cabeludo não é absorvida, por isso a MMP surgiu para garantir uma maior quantidade da medicação dentro do couro cabeludo, através do uso de agulhas bem finas. Saiba mais sobre a técnica de MMP e suas indicações clicando aqui.

 

Minoxidil oral em baixas doses

Mais recentemente, alguns trabalhos vêm apontando um benefício do uso de minoxidil por via oral em determinadas situações que devem ser bem avaliadas pelo dermatologista, já que o risco de efeitos colaterais é maior por essa via de administração da medicação. Para saber mais sobre minoxidil oral, clique aqui.

É importante saber que o minoxidil não deve ser utilizado sem orientação médica, pois, antes de qualquer tratamento, deve ser feito um diagnóstico da verdadeira causa da queda/perda de cabelo do paciente. Existem muitas causas de queda de cabelo cujo tratamento não é o minoxidil e que podem levar até à perda definitiva de cabelos.

Para saber mais sobre calvície, clique aqui.

 

Para agendamento de consulta, clique aqui.

2 Comentários

  1. […] principal tratamento para a calvície em mulheres é o uso de minoxidil  no couro cabeludo. Ele é a única medicação de uso tópico que tem comprovada eficácia na […]

  2. […] Quer saber mais sobre minoxidil oral? Clique aqui. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *