Eflúvio Telógeno - Fabiana Caraciolo

Eflúvio Telógeno

Imagem Eflúvio Telógeno

Você já ouviu falar em eflúvio telógeno?

Uma queixa muito comum, nos consultórios dermatológicos, é o aumento da queda de cabelo. Os pacientes relatam, com bastante preocupação, que começaram a perceber uma grande quantidade de cabelos no ralo do banheiro, na escova, no travesseiro e no chão.

Normalmente, cerca de 85 a 90% dos folículos pilosos estão na fase anágena (fase de crescimento), 1% na fase cátagena (fase de regressão), e 10 a 15% na fase telógena (fase de preparação para a queda do cabelo).

O couro cabeludo tem em média 100.000 fios de cabelo, cerca de 10% dos folículos estão em fase de queda, e esta fase dura cerca de 100 dias. Por isso, costuma-se considerar normal uma perda em torno de 100 a 150 fios por dia. Mas, esta quantidade não é fixa para todos, de modo que, mesmo uma queda inferior a 100 fios por dia é significante se está acima do normal daquela pessoa.

Determinadas mudanças no nosso organismo alteram o relógio biológico dos folículos pilosos, fazendo com que um número acima do normal entre em fase telógena ao mesmo tempo. O indivíduo percebe isto como uma queda de cabelos aumentada e difusa. E, a este tipo de queda de cabelo excessiva chama-se eflúvio telógeno. As possíveis causas de eflúvio telógeno são inúmeras, sendo as principais:

  1. Pós-parto
  2. Febre alta
  3. Cirurgia com anestesia geral
  4. Estresse emocional importante
  5. Infecções
  6. Hipotiroidismo ou hipertiroidismo
  7. Dietas rígidas
  8. Perda de peso
  9. Carência de ferro
  10. Parada de anticoncepcional
  11. Medicações: vitamina A em excesso, isotretinoína, acitretina, heparina, warfarina, antiretrovirais, interferon, fluoxetina, amitriptilina, lítio, ácido valproico, carbamazepina, fenitoína, anfetamina, levodopa, metildopa, andrógenos, fibratos, amiodarona, alopurinol, captopril, enalapril, ramipril, propranolol, atenolol, etc.

O início da queda de cabelo excessiva ocorre aproximadamente 3 meses após o evento que a desencadeou, pois este é o tempo para o folículo passar pela fase telógena e finalmente o pelo cair.

Para o diagnóstico de eflúvio telógeno, é muito importante uma anamnese bem feita, na qual o dermatologista, além de escutar o paciente, irá também questioná-lo sobre possíveis eventos e medicações que possam ter levado à maior queda de cabelo.

Ainda durante a consulta, é realizada a prova de tração, na qual, como o próprio nome diz, é realizada a tração de alguns fios de cabelo e analisada a quantidade que se desprende. Posteriormente, realiza-se a dermatoscopia do couro cabeludo (tricoscopia) e pode ser feita também a análise dos fios de cabelo através do tricograma.

Na suspeita de eflúvio telógeno, são também solicitados exames de sangue para procurar possíveis doenças sistêmicas e carências nutricionais que podem levar ao quadro.

.

Porém, em cerca de 33% dos casos de eflúvio telógeno, nenhum desencadeante consegue ser identificado.

O tratamento do eflúvio telógeno não é feito de maneira indiscriminada com “vitaminas”. Em alguns casos, como a queda de cabelo pós-parto, não são necessárias medicações. Em outros, a parada de uso da medicação que está levando ao aumento da queda já é a solução do problema. Se uma deficiência nutricional é encontrada, procede-se à reposição do nutriente específico. No caso de um distúrbio da tireóide, será feita medicação específica para tratá-lo. Enfim, o tratamento é direcionado à causa, quando esta é encontrada. E, como o eflúvio telógeno pode ser um sinal de doença importante, é fundamental procurar um dermatologista para investigação.

A queda de cabelo costuma voltar ao normal cerca de 6 meses após o término ou correção da causa desencadeante do eflúvio. Porém, em alguns casos, por mais que investiguemos, não conseguimos encontrar uma causa para o problema. Ainda assim, a maioria destes pacientes apresenta normalização da queda de cabelo após cerca de 6 meses do seu aumento.

Algumas pessoas apresentam um período de queda excessiva de cabelo superior a 6 meses, caracterizando o eflúvio telógeno crônico. Nestes casos, também é realizada uma investigação minuciosa, porém, algumas vezes não se consegue encontrar uma causa.

Clique aqui e saiba mais sobre eflúvio telógeno crônico

Você já ouviu falar em eflúvio telógeno?

Uma queixa muito comum, nos consultórios dermatológicos, é o aumento da queda de cabelo. Os pacientes relatam, com bastante preocupação, que começaram a perceber uma grande quantidade de cabelos no ralo do banheiro, na escova, no travesseiro e no chão.

Normalmente, cerca de 85 a 90% dos folículos pilosos estão na fase anágena (fase de crescimento), 1% na fase cátagena (fase de regressão), e 10 a 15% na fase telógena (fase de preparação para a liberação do fio).

O couro cabeludo tem em média 100.000 fios de cabelo, cerca de 10% dos folículos estão em fase de queda, e esta fase dura cerca de 100 dias. Por isso, costuma-se considerar normal uma perda em torno de 100 a 150 fios por dia. Mas, esta quantidade não é fixa para todos, de modo que, mesmo uma queda inferior a 100 fios por dia é significante se está acima do normal daquela pessoa.

Determinadas mudanças no nosso organismo alteram o relógio biológico dos folículos pilosos, fazendo com que um número acima do normal entre em fase telógena ao mesmo tempo. O indivíduo percebe isto como uma queda de cabelos aumentada e difusa. E, a este tipo de queda de cabelo excessiva chama-se eflúvio telógeno.

Mas, os fios que caem voltam a crescer na mesma espessura de antes diferentemente do que ocorre na calvície, na qual há um afinamento progressivo dos fios. Ou seja, no eflúvio telógeno, o fio que cai grosso volta grosso. Inclusive, quando o fio está para ser liberado do folículo, já tem um novo fio lá pronto para crescer.

O eflúvio telógeno é então uma troca maior de cabelo do que o normal e não uma perda de cabelos ou alteração dos fios. E, esta queda maior de cabelo sinaliza que algo de errado pode estar acontecendo no nosso organismo, por isso é tão importante investigar a causa.

O folículo piloso é uma estrutura que, na sua fase de crescimento, tem um metabolismo muito alto, gastando muita energia. Então, todas as vezes que o nosso corpo precisa economizar energia para resolver um problema, ele manda vários folículos sairem da fase de crescimento, que é a fase que demanda muita energia, e os põe repentinamente para a fase telógena.

As possíveis causas de eflúvio telógeno são inúmeras, sendo as principais:

  1. Pós-parto
  2. Febre alta
  3. Cirurgia com anestesia geral
  4. Estresse emocional importante (por ex:perda de uma pessoa querida, perda de emprego; não o estresse constante do dia a dia)
  5. Infecções
  6. Hipotiroidismo ou hipertiroidismo
  7. Dietas rígidas
  8. Perda de peso rápida
  9. Carência de ferro
  10. Parada de anticoncepcional
  11. Medicações: vitamina A em excesso, isotretinoína, acitretina, heparina, warfarina, antiretrovirais, interferon, fluoxetina, amitriptilina, lítio, ácido valproico,carbamazepina, fenitoína, andrógenos, fibratos, amiodarona, alopurinol, captopril, enalapril, ramipril, propranolol, atenolol, etc.

O início da queda de cabelo excessiva ocorre aproximadamente 3 meses após o evento que a desencadeou, pois este é o tempo para o folículo passar pela fase telógena e finalmente o pelo cair.

Para o diagnóstico de eflúvio telógeno, é muito importante uma anamnese bem feita, na qual o dermatologista, além de escutar o paciente, irá também questioná-lo sobre possíveis eventos e medicações que possam ter levado à maior queda de cabelo.

Ainda durante a consulta, é realizada a prova de tração, na qual, como o próprio nome diz, é realizada a tração de alguns fios de cabelo e analisada a quantidade que se desprende. Posteriormente, realiza-se a dermatoscopia do couro cabeludo (tricoscopia) e pode ser feita também a análise dos fios de cabelo através do tricograma.

Na suspeita de eflúvio telógeno, são também solicitados exames de sangue para procurar possíveis doenças sistêmicas e carências nutricionais que podem levar ao quadro.

Porém, em cerca de 33% dos casos de eflúvio telógeno, nenhum desencadeante consegue ser identificado.

O tratamento do eflúvio telógeno não é feito de maneira indiscriminada com “vitaminas”. Quando o eflúvio foi desencadeado por um fator fisiológico, como uma queda de cabelo pós-parto, por exemplo, não são necessárias medicações. Em outros casos, a parada de uso da medicação que está levando ao aumento da queda já é a solução do problema. Se uma deficiência nutricional é encontrada, procede-se à reposição do nutriente específico. No caso de um distúrbio da tireóide, será feita medicação específica para tratá-lo.

Se o desencadeante do eflúvio já foi superado como uma febre ou uma virose, por exemplo, não há mais nada a ser tratado. Basta esperar o tempo do término da fase telógena.

Enfim, o tratamento é direcionado à causa, quando esta é encontrada e ainda presente. E, como o eflúvio telógeno pode ser um sinal de doença importante, é fundamental procurar um dermatologista para investigação.

A queda de cabelo costuma voltar ao normal cerca de 4 a 6 meses após o término ou correção da causa desencadeante do eflúvio e não existe nenhuma medicação tópica ou oral que consiga fazer encurtar a fase telógena. A fase telógena vai ter que completar o tempo normal dela, mas, devemos lembrar que no eflúvio o cabelo vai voltar a crescer com a mesma espessura anterior: é troca e não perda ou afinamento!

Em alguns casos, por mais que investiguemos, não conseguimos encontrar uma causa para o problema. Ainda assim, a maioria destes pacientes apresenta normalização da queda de cabelo após cerca de 6 meses do seu aumento.

Algumas pessoas apresentam um período de queda excessiva de cabelo superior a 6 meses, caracterizando o eflúvio telógeno crônico. Nestes casos, também é realizada uma investigação minuciosa, porém, algumas vezes não se consegue encontrar uma causa.

Para saber mais sobre eflúvio telógeno crônico, clique aqui.

É importante lembrar que, juntamente do eflúvio, o paciente pode apresentar outras doenças de cabelo assoociadas como calvície, alopecia areata, entre outras. Por isso, é fundamental o exame dermatológico do paciente.

Para agendamento de consulta, clique aqui.