Eflúvio telógeno crônico - Fabiana Caraciolo

Eflúvio telógeno crônico

 

O eflúvio telógeno crônico se caracteriza por uma troca excessiva de cabelo, em todo couro cabeludo, que persiste por mais de 6 meses.  Este tipo de queda de cabelo pode ser secundário a deficiências nutricionais, distúrbios hormonais, uso de algumas medicações, lupus eritematoso sistêmico, entre outros fatores, que já começaram há mais de 6 meses e não foram tratados. Por isso, uma vez que se suspeite de um eflúvio telógeno, é importante uma investigação através de exames de sangue.

Em muitos casos, porém, não encontramos nenhuma causa aparente nos exames. Nestes casos, estamos diante do eflúvio telógeno crônico primário ou idiopático, ou seja, de causa desconhecida.

 

Por que ocorre o eflúvio telógeno crônico?

No eflúvio telógeno crônico primário, há uma mudança no ciclo do cabelo, na qual a fase de crescimento do cabelo é encurtada, trocando o fio de cabelo com mais frequência. Ao invés de o fio crescer 4, 5 anos antes de cair, ele passa a cair com cerca de 1 ano.

Ciclo capilar encurtado no eflúvio telógeno crônico

Então o fio cresce um pouco e já cai, cresce um pouco e já cai, cresce um pouco e cai;  não conseguindo mais alcançar o comprimento original.

 

Como o eflúvio telógeno crônica se apresenta?

A maioria dos pacientes acometidos por esta condição são mulheres, entre 30 e 50 anos.

A história do eflúvio telógeno crônico geralmente é a de uma mulher que tinha um bom crescimento de cabelo, e, a partir de determinado momento, passa a perceber uma maior quantidade de fios caindo por dia.

Essa troca aumentada de cabelo pode ser constante, ou seja, o cabelo está sempre caindo muito, mas com períodos em que cai ainda mais, ou pode ser intermitente, na qual a paciente passa por períodos de queda aumentada e períodos de queda normal.

A mulher também costuma perceber que o volume do cabelo da orelha para baixo reduziu bastante, ficando com o cabelo cada vez mais minguado a partir daquela altura e, assim, o cabelo vai perdendo a forma.

Mesmo quando são só episódios de queda aumentada, o cabelo não consegue recuperar o volume no seu comprimento, porque, quando ele está começando a se recuperar, já vem outro episódio de troca de fios.

É comum também o relato de que as tranças e o rabo de cavalo diminuíram muito: ela costumava dar duas voltas no elástico e agora tem que dar 4, por exemplo

É frequente também as pacientes perceberem uma menor densidade capilar nas “entradas”, e, às vezes, também a linha da frente do cabelo fica mais rala, mas, o topo da cabeça costuma continuar com muito cabelo, se a paciente não tiver calvície associada.

 

Rarefação nas entradas pelo eflúvio telógeno crônico

 

Risca do cabelo no eflúvio telógeno crônico isolado.

O topo do cabelo não fica mais visível, pois, quando um fio cai, já existe um fiozinho novo sendo produzido no mesmo folículo. Quando estes fiozinhos vão crescendo, começam a ser percebidos vários fios curtos espetadinhos no topo da cabeça, como na foto abaixo:

Vário fios novos no topo da cabeça no eflúvio crônico

 

Quanto tempo dura o eflúvio telógeno crônico? Tem cura?

Há relatos de melhora espontânea de eflúvio telógeno crônico primário após 3 a 4 anos, mas há também casos em que ele dura 10 anos ou mais. Ou seja, sua duração é imprevisível.

E, como a causa desconhecida, o que nós procuramos regular é o seu mecanismo, que é o encurtamento da fase de crescimento do cabelo. Então nós utilizamos a medicação que tem mais evidência em aumentar esta fase de crescimento, que é o minoxidil.

O tratamento não tem, então, um prazo para acabar.

Para as pacientes que não desejam manter o tratamento a longo prazo, existe a opção de utilizar o tratamento por no mínimo dois anos. Neste caso, vamos desmamando a medicação lentamente para tentar minimizar um eflúvio de parada do minoxidil, mas, mesmo assim, pode haver uma queda importante, após parar a medicação, porque vários fios que estavam sendo mantidos em fase de crescimento pelo minoxidil, passam  juntos para fase de queda.

Ou seja, o ideal é usar o medicamento continuamente, exceto quando contraindicado, como na tentativa de gravidez, durante a gravidez e outras situações de contraindicação.

 

Procedimentos como microagulhamento, mesoterapia e MMP são indicados para eflúvio telógeno crônico?

Não costumamos indicar estes procedimentos para o eflúvio telógeno crônico (ETC) pelos seguintes motivos:

  1. O tratamento em casa é o que é importante.
  2. Se o paciente, além do tratamento em casa, quisesse ser submetido à injeção de minoxidil no couro cabeludo, teria que fazer isso todos os meses, o que pode ser doloroso, caro e poderia deixar o couro cabeludo endurecido pelo estímulo frequente de produção de colágeno com o agulhamento.
  3. Não há trabalhos científicos ainda que indiquem que o microagulhamento seja efetivo para eflúvio telógeno crônico.
  4. Alguns pacientes apresentam, após sessão de microagulhamento, mesoterapia ou MMP, episódio de eflúvio.

 

Se não tem cura, por que valeria a pena tratar o eflúvio telógeno crônico?

Com o tratamento, buscamos uma redução da quantidade de cabelo que cai diariamente. A diminuição da queda costuma a ser vista a partir do quarto mês de tratamento.

Buscamos também diminuir o número de novos episódios de aumento de queda, mas não segura novos episódios em 100% dos casos. Além disso, não podemos impedir que gatilhos desencadeiem eflúvios agudos, como por exemplo, uma infecção, uma cirurgia, uma perda de peso. Estes episódios irão desestabilizar o controle da queda.

Outro objetivo do tratamento é ajudar no aumento do comprimento do cabelo, melhorando o volume do cabelo, mas não necessariamente o cabelo vai conseguir alcançar o comprimento que conseguia antigamente. Pode melhorar até certo comprimento e ser necessária adaptação àquele novo comprimento aderindo a um corte um pouco mais curto do cabelo que o habitual, para não ficar com uma ponta minguada.

Outra coisa importante de lembrar é que o cabelo cresce apenas 1 cm por mês, então, para que um cabelinho novo chegue na altura do ombro, demora cerca de 2 anos.

 

Ou seja, tratamento de cabelo exige muita paciência para aguardá-lo atravessar sua fase de queda e depois ir crescendo devagarzinho.

Aumento da queda no início do tratamento é normal?

Sim, pode acontecer, pois um mecanismo de ação do minoxidil é pegar folículos que estão fase telógena (preparação para queda) e colocá-los para trocar logo o fio, começando assim um novo ciclo.

O paciente com eflúvio telógeno crônico tem muitos folículos em fase telógena, consequentemente, o minoxidil vai ter muitos folículos para colocar para trocar fio. Então, a princípio, a queda vai piorar, para, no longo prazo, melhorar.

 

Para saber mais sobre o minoxidil oral, clique aqui.

 

Para agendamento de consulta, clique aqui.

 

Para seguir o meu perfil no Instagram, clique aqui.

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!