Finasterida para calvície - Fabiana Caraciolo

Finasterida para calvície

 

A finasterida é uma medicação que age inibindo uma enzima chamada 5-α redutase tipo 2, que, por sua vez,  é responsável por transformar a testosterona em um hormônio mais potente chamado DHT (dihidrotestosterona). A DHT , em pessoas geneticamente predispostas, causa a miniaturização dos folículos pilosos de algumas regiões do couro cabeludo.

 

DHT causando miniaturização na calvície

 

Ação da finasterida bloqueando a transformação da testosterona em DHT.

 

Finasterida bloqueando a transformação da testosterona em DHT

 

 

É uma medicação que vem sendo utilizada, há mais de 20 anos, em homens para aliviar os sintomas urinários daqueles que apresentam aumento da próstata e também para calvície masculina. Para calvície feminina, a sua utilização é off label, ou seja, não está indicada na bula. Alguns dermatologistas não usam, outros a usam apenas em mulheres pós-menopausadas e outros a usam mesmo em mulheres em idade fértil.  As mulheres em idade fértil têm que fazer uso de método anticoncepcional bastante seguro, pois, do contrário, correm o risco de feminização do feto, ou seja, se o feto for do sexo masculino, o bebê poderá nascer com a genitália externa feminina.

A indicação da finasterida mais frequente para mulher com calvície é quando há um hiperandrogenismo evidente, detectado pelo aumento de hormônios androgênicos no sangue ou por observação de sinais clínicos como pelos em locais nos quais a mulher não costuma ter pelos, acne na idade adulta, etc.. Para mulheres sem hiperandrogenismo, a finasterida costuma ficar reservada para casos mais graves ou que não respondem ao uso do minoxidil.

 

Após quanto tempo consigo começar a perceber o benefício da finasterida para a calvície?

Geralmente, os pacientes com calvície começam a perceber alguma melhora da calvície após 6 meses de tratamento, por isto, nós dermatologista costumamos pedir para os pacientes agendarem a sua consulta de acompanhamento para quando completar 6 meses de uso da medicação.

A melhora máxima com finasterida é conseguida após 1 a 2 anos, por isto que costumamos recomendar que o paciente aguarde pelo menos 1 ano para então decidir se fará ou não o transplante capilar. Após este tempo, muitos pacientes melhoram bastante e o transplante capilar não é mais necessário. Dessa forma, nós economizamos os folículos da área doadora para regiões que realmente precisarem, ou seja, para áreas em que o tratamento não consiga a cobertura suficiente do couro cabeludo com as medicações. É muito importante isso, pois, o paciente tem um limite de unidades folicular que ele pode retirar da área doadora sem deixar falhas nela.

A região do vértex (“coroinha”) é a que costuma responder melhor ao tratamento com a finasterida. Já as “entradas” são o local com menor resposta e que com mais frequência precisam do transplante mesmo com o tratamento.

 

Por quanto tempo a finasterida tem que ser usada?

Para manter o benefício da finasterida, ela tem que ser usada continuamente.

Se você parar de tomá-la, você irá perder toda melhora que você conseguiu durante este tempo e voltará ao estágio de calvície no qual você estava antes de começar o tratamento.

 

Homens acima de 50 anos também têm benefício com o uso da finasterida?

Sim, homens acima de 50 anos também podem se beneficiar com o uso da finasterida, porém, a melhora não é tão boa quanto em pacientes mais jovens. Mas, vale a pena usar sim, desde que não haja contraindicações.

 

Efeitos colaterais:

Os efeitos colaterais mais frequentes são: diminuição da libido, aumento e/ou dor nas mamas.

Diferentemente da espironolactona, não há estudos com uso há longo prazo de finasterida em mulheres. Os estudos são geralmente de 6 a 12 meses de uso da medicação.

 

Algumas contraindicações:

 

  1. Gravidez e amamentação

Mulheres não podem engravidar ou amamentar usando finasterida. Já em relação ao uso da medicação pelos homens, durante a gravidez da sua esposa, não há problema, pois as quantidades de finasterida no esperma são insignificantes. A esposa, porém, não deve nem tocar nos comprimidos do parceiro para não haver nenhum risco de ingestão da medicação.

 

2. Pacientes com problemas no fígado ou nos rins

 

3. História pessoal ou familiar de câncer de mama ou de ovário –> esses cânceres são geralmente hormônio responsivos. Como a finasterida diminui a transformação de testosterona em DHT, esta testosterona que sobra pode ser convertida em estrógeno por uma enzima chamada aromatase. E, este aumento de estrógeno poderia aumentar o risco de cânceres de mama e ovário em mulheres geneticamente predispostas. Mas, até agora, isto é apenas uma hipótese. Não há nenhum estudo que indique que finasterida causa câncer de mama ou de ovário, mas também não há ainda estudos suficientes para dizer que ela não aumenta o risco destes cânceres em mulheres que já os tiveram ou  que tenham história familiar destes.

Testosterona é transformada em estrógeno (estradiol) pela enzima aromatase

 

4. História pessoal ou história familiar de depressão –> a enzima 5-α redutase, que transforma testosterona e DHT, também é importante para produção dos chamados neuroesteroides.  Os neuroesteroides são substâncias produzidas no próprio cérebro e que se encaixam em receptores importantes para regulação da nossa resposta ao estresse agudo e crônico e também estão envolvidos na predisposição à ansiedade e depressão.

Enzima 5-alfa-redutase é importante para produção de neuroesteroides

 

Alguns estudos evidenciaram que indivíduos com depressão apresentavam níveis mais baixos de alguns neuroesteroides do que indivíduos sem depressão.

5. Homens que já apresentam disfunção sexual –> estudo publicado recentemente (julho de 2019) comparou 663 usuários de finasterida para calvície com 99 não usuários, e concluiu que a finasterida não está associada à disfunção sexual. Porém, em homens que já apresentam disfunção sexual, nós costumamos evitar o uso da finasterida para calvície.

 

E a finasterida tópica? Será que ela funciona?

Falo sobre ela em outro post. Clique aqui para ler.

 

Para saber sobre calvície feminina, clique aqui.

Para agendamento de consulta, clique aqui.

Para seguir o meu perfil no Instagram, clique aqui.

 

Meu vídeo sobre a finasterida para calvície em mulheres:

 

 

6 Comentários

  1. Caio disse:

    E quanto a Actrisave, tida como um finasterida-like. Há algum estudo que demonstre a sua eficácia? E quanto aos possíveis efeitos colaterais?

  2. Natanael disse:

    tenho 54 anos posso tomar finasterida .tratamento capilar

    • Dra. Fabiana Caraciolo Tricologista disse:

      A idade não é o único fator que o dermatologista leva em conta para indicar ou não a finasterida. Só através de uma consulta, o médico dermatologista poderá lhe orientar se pode ou não usar.

  3. Jorge disse:

    Caso eu sinta a diminuição da libido, o que faço ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!