Queda de cabelo após cirurgia bariátrica - Fabiana Caraciolo

Queda de cabelo após cirurgia bariátrica

 

Queda de cabelo é uma queixa muito frequente após cirurgia bariátrica, trazendo consigo muita angústia e impacto na autoestima das pacientes.

 

Por que isso acontece?

Quando o nosso organismo entende que precisa economizar energia para cuidar de algo mais importante, ele envia um sinal para que muitos folículos capilares interrompam a produção de cabelo, porque produzir cabelo gasta muita energia.

 

 

Após qualquer cirurgia, o nosso organismo pode entender que precisa economizar energia para o processo de cicatrização e recuperação da cirurgia como um todo. Uma vez que ele entenda que isto é preciso, ele envia uma mensagem para muitos folículos capilares iniciarem o processo de troca de cabelo ao mesmo tempo, fenômeno chamado de eflúvio telógeno agudo. O eflúvio começa cerca de 3 meses após uma cirurgia, pois este é o tempo de o folículo passar pela sua fase de repouso e liberar o fio. No local em que o fio é liberado, um novo fio costuma já estar presente, substituindo o anterior. Por isso, eflúvio telógeno sozinho é uma troca e não perda de cabelo.

 

Duração das fases do ciclo capilar

 

Na bariátrica, além do estresse cirúrgico, o paciente apresenta outros gatilhos para eflúvio telógeno agudo:

Dieta  muito restritiva logo após a cirurgia

A dieta é extremamente restritiva nos primeiros 30 dias após a cirurgia. Geralmente são 15 dias de dieta exclusiva líquida no pós-operatório imediato, e, depois, mais 15 dias de dieta pastosa.

É, portanto, uma dieta bem restritiva em calorias e também em quantidade neste início e isto também leva ao nosso corpo a entrar em estado de alerta e colocar mais cabelo para trocar.

 

Perda de peso

A perda de peso intensa e rápida após a cirurgia bariátrica é outro fator que “dá um susto” no nosso organismo, levando-o a priorizar energia para os órgãos vitais, deixando o cabelo em segundo plano. E, enquanto o paciente continuar seu processo de emagrecimento rápido, o corpo continuará neste estado de alerta.

Os primeiros 6 meses após a cirurgia costumam ser o período no qual o paciente mais perde peso após uma bariátrica. Quanto maior e mais rápida a perda de peso, maior é a troca de cabelo.

 

Deficiência nutricional

Com a cirurgia, ocorrem alterações anatômicas e fisiológicas no sistema digestivo do paciente que prejudicam a absorção alimentar.

O tipo de técnica escolhida influenciará os principais tipos de deficiência:

 

Sleeve

 

A gastrectomia vertical, conhecida como “Sleeve”, é uma técnica que consiste na retirada 70 a 80% do estômago. Nesta técnica,  a passagem do alimento pelo duodeno é preservada, e este local é importante para absorção de diversos nutrientes. Ocorre, então, uma restrição importante em relação à quantidade de alimento a ser ingerida, porém com menor comprometimento de absorção do que outras técnicas.

 

Bypass gástrico

 

Já nas técnicas do tipo “Bypass Gástrico”,  além da redução do tamanho do estômago, há uma redução do percurso do alimento pelo intestino delgado. O alimento não passará mais pelo duodeno e pelo jejuno, levando a uma redução na absorção de gorduras, açúcares e de algumas vitaminas.

Como estas alterações já são esperadas, os nutricionistas e cirurgiões bariátricos costumam já prescrever vitaminas e minerais específicos para os pacientes para prevenir deficiências.

 

É possível evitar o eflúvio pós-bariátrica?

Não é possível impedir totalmente o eflúvio telógeno pela cirurgia bariátrica. A maioria dos pacientes acaba passando por um período de maior troca de cabelo após a cirurgia, pois temos três fatores que terão que acontecer: a cirurgia, a dieta muito restritiva inicial e a perda de peso.

O único fator no qual podemos “interferir” é na prevenção ou tratamento das deficiências nutricionais. Por isso, é fundamental que, antes mesmo da cirurgia, o paciente passe em consulta com nutricionista, faça exames para investigação de deficiências nutricionais e receba toda orientação e suplementação de nutrientes necessária.

Um outro passo também muito importante é uma avaliação de seu couro cabeludo e fios de cabelo, pelo menos 6 meses antes da bariátrica, pois, muitas vezes, a paciente já apresenta uma alteração capilar (ex: calvície) e não percebe, mas, quando o eflúvio pós-bariátrica se inicia, esta condição capilar prévia passa a se tornar visível.  Isto abala ainda mais a angústia em relação à queda de cabelo.

Então, diagnosticarmos e estabilizarmos uma alteração capilar, antes da cirurgia, minimizamos a exposição do couro cabeludo pós-bariátrica.

 

Existe tratamento para a queda de cabelo após cirurgia bariátrica

O tratamento de uma queda de cabelo é sempre direcionado à sua causa. Em relação ao eflúvio pós-bariátrica, nós vimos que os fatores desencadeantes são: a cirurgia em si, dieta restritiva inicial, perda de peso e, em alguns pacientes, deficiência nutricional.

Não existe “tratamento de cirurgia”; cirurgia não se trata e já aconteceu, portanto, não há o que se fazer em relação ao fator “cirurgia”.

A dieta muito restritiva inicial é necessária para adaptação do sistema digestivo à sua nova anatomia e ela tem tempo para acabar, portanto, o que se pode fazer em relação a este fator é a suplementação profilática de nutrientes específicos para evitar uma desnutrição.

A perda de peso não pode ser evitada. Pelo contrário: ela é um objetivo da cirurgia, portanto, terá que acontecer e não existe um “tratamento de perda de peso”.

E, por último, temos a deficiência nutricional, que como falei anteriormente, é o único fator que é evitável e tratável.

Portanto, o eflúvio após bariátrica vai acontecer na maioria dos pacientes e o que há para se fazer é:

  1. Manter a suplementação adequada dos nutrientes.
  2. Tratar condições associadas, como a calvície feminina ou masculina.
  3. Esperar o eflúvio passar.

 

Em quanto tempo um eflúvio após bariátrica costuma melhorar?

A troca aumentada de cabelo devido a cirurgias e perda de peso duram de 3 a 6 meses, mas é importante saber que estes 3 a 6 meses de duração só começam a ser contados a partir da época em que a perda de peso cessou. Ou seja, enquanto a perda de peso permanecer intensa e rápida, o cabelo continuará com este gatilho para trocar mais. Portanto, apenas após 3 a 6 meses da estabilização do peso é que a queda de cabelo irá voltar à quantidade cotidiana de antes.

Lembrando que os níveis dos nutrientes no seu organismo, assim como sua saúde geral, precisam estar ok para não haver mais queda acentuada de cabelo.

Após a estabilização da queda, os fios crescem cerca de 1 cm por mês, de forma que, para recuperar o volume do cabelo até o nível do ombro, demora cerca de 2 anos.

 

Já faz um ano que operei e meu cabelo ainda cai muito. O que pode estar acontecendo?

Neste caso, o procedimento cirúrgico em si não pode mais ser responsabilizado pela queda. Algumas das causas que podem ser responsáveis por ela são:

  1. Perda de peso
  2. Deficiência nutricional
  3.  Medicações
  4. Alterações capilares pré-existentes mas, até então, despercebidas. Ex: calvície (alopecia androgenética) feminina ou masculina, alopecia areata, etc.

E inúmeros outros fatores que precisarão ser investigados por um dermatologista.

 

Para agendamento de consulta, clique aqui.

 

Para seguir o meu perfil no Instagram, clique aqui.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!